Este site usa cookies e tecnologias afins que nos ajudam a oferecer uma melhor experiência. Ao clicar no botão "Aceitar" ou continuar sua navegação você concorda com o uso de cookies.

Aceitar

Escrita Criativa

Akira Kurosawa sobre o ato de escrever

Kaio Serrate
Escrito por Kaio Serrate em 3 de setembro de 2021
Akira Kurosawa sobre o ato de escrever
Não perca mais nada

Assine a newsletter "Dedo de Prosa" e receba conteúdos exclusivos

Akira Kurosawa, famoso cineasta japonês, diretor de filmes como Os sete samurais, Sonhos e Dersu Uzala, dizia que o primeiro passo para quem quer colocar suas histórias no mundo é transformar a escrita em um hábito.

“Se você escreve o dia inteiro, no final do dia terá duas ou três páginas, mesmo se for muito difícil.

Você precisa se acostumar à tarefa de escrever. É preciso fazer um esforço para aceitá-la, não como algo doloroso, mas como uma rotina.

A maioria das pessoas tende a desistir no meio do caminho. Costumo dizer a elas: escreva até o fim. Não importa o que aconteça.”

Um hábito se estabelece quando você cria espaço no seu dia para que ele se repita. A maioria de nós não vai escrever o dia inteiro como aconselha Kurosawa, mas o tempo exerce um papel central na formação de um escritor amador ou profissional.

Escrever é uma atividade intelectual, mas é também um ato físico, que demanda rotina e ritual. É preciso acostumar o corpo e a mente ao exercício de imaginar histórias e transformá-las em narrativas.

É nesse ponto que uma importante adaptação acontece, começamos a perceber o tempo da escrita. Narrar uma história é uma atividade que deve ser executada em marcha lenta, pois exige introspecção.

O ato de escrever vai na contramão da pressa e dos indicadores de produtividade que regem a vida do homem moderno.

Acredite em mim, isso pode ser uma dádiva.

Conteúdo em vídeo: